Em um material oficial para criadores, empresa diz que “assinaturas e pontos de preços em múltiplas moedas irão ajudar os desenvolvedores a rentabilizar de forma mais eficaz”

O Facebook disse nesta terça-feira (19) que irá começar a permitir que desenvolvedores de aplicativos em sua plataforma cobrem os usuários para assiná-los, mas irá obrigá-los a parar de usar créditos do Facebook para fazer compras por meio de apps, de acordo com um post de blog.

Atualmente a rede social não apoia o modelo de assinatura. Em vez disso, os desenvolvedores de apps em seu serviço ganham dinheiro quando os usuários compram bens virtuais. Eles fazem isso tanto em uma moeda específica da aplicação como utilizando créditos do Facebook.

Até o fim do ano, moedas reais serão aceitas para inscrições, e apps de pagamentos terão que confiar em apps de moedas. O FB explicou que o “Credits” foi lançado em uma época em que poucos aplicativos tinham suas próprias moedas. Agora muitos têm, aliviando a necessidade de uma “moeda virtual de amplo alcance”, disse o blog.

O anúncio enfatizou os benefícios para os desenvolvedores, incluindo a capacidade de “fixar o preço do mesmo item de maneira diferente com base nos diferentes mercados”. “Nós antecipamos que as características construídas em moeda local, assim como assinaturas e pontos de preços em múltiplas moedas, irão ajudar os desenvolvedores a rentabilizar de forma mais eficaz”, disse a empresa em seus materiais para desenvolvedores.

O novo modelo já está sendo utilizado por alguns desenvolvedores, incluindo Kixeye e Zynga, num teste beta privado. “Nós acreditamos que o serviço do Facebook de criar um nova maneira de realizar o pagamento para apoiar os preços em moeda local irá dinamizar os métodos de pagamento em sua plataforma, e, finalmente, oferecer opções de preços mais flexíveis. Enquanto é cedo, estamos ansiosos para trazer aos jogadores mais opções para participar de nossos jogos por meio do nosso modelo de assinatura. Já começaram as assinaturas de testes em alguns dos nossos jogos no Facebook “, disse em um e-mail um representante da Zynga.

Por Cameron Scott